Realeza, Sudoeste do Paraná, 
História Realeza

História de Realeza 

Década de 50, iniciava a ocupação e colonização da região Sudoeste do Paraná, que ao contrário de outras, foi colonizada por livre e espontânea coragem de homens procedentes da própria região Sul do país. Jagunços da companhia CITLA (Clevelândia Industrial Territorial Ltda.), lutaram incansavelmente com posseiros, na chamada batalha do “Levante dos Posseiros”, que se findou no dia 10 de outubro de 1957, com a vitória dos posseiros.

Por volta de 1958, chegaram ao território do atual município de Realeza (que na época pertencia ao município de Ampére) Bruno e Maria Zuttion, José Marcolino Zanchi, e os Irmãos Cerini, onde se encontravam já instalados as famílias de Henrique e Luiz Claudino dos Santos (Popular Dama), Frazio dos Santos, Zacarias de Leandrino, João Maria Pinto, Sétimo Dal Cortivo, Miguel Muller e Damazio, entre outros.

Bruno Zuttion adquiriu uma área de 150 alqueires, da família de Henrique e Luiz Claudino dos Santos (Dama), onde hoje é o centro de Realeza, e negociou com industrialistas do Rio Grande do Sul para colocarem uma grande indústria extrativa de madeira, dando inicio à fundação da cidade. Isso aconteceu com a chegada do industrial Rubem Cesar Caselani, que em sociedade com Romano Zanchet e Ângelo Camilotti, instalaram a madeireira Indústrias Cazaca Ltda., iniciando suas atividades em meados de 1961.

Nos primeiros anos da década de 60, instalaram-se as primeiras empresas em Realeza sendo, a Casa Comercial de Sirval Manfroi, o Hotel de Lauro Rodrigues, a Rodoviária de João da Silva (Jango), a Casa de Ferragens de Arnolfo Umann, a Oficina Mecânica de Nelson Abreu, o Contador Luiz Sérgio Sassi, o Farmacêutico Adão Faedo, entre outros comerciantes e prestadores de serviços.

A ocupação inicial do município deu-se em função do extrativismo da madeira e o desenvolvimento acelerou-se após a instalação da Indústria Cazaca Ltda. O crescimento de Realeza foi instantâneo, populares diziam “Realeza é feito Brasília: Uma cidade relâmpago”. No dia 24 de junho de 1963, criado através da lei estadual 4.730, fundava-se o Município de Realeza, no dia 12 de novembro do mesmo ano, aconteceu à instalação do município, e desmembrado do município de Ampére.

Atualmente, Realeza desponta o cenário nacional, sendo destaque nas diversas áreas, como educação, saúde e assistência social. Conta com recentes fatos, que se tornaram históricos, como a conquista da Universidade Federal da Fronteira Sul, Centro de Pesquisa da Embrapa, Centro de Eventos, Lago Municipal, entre outros. Também se destaca por estar em um ponto estratégico da região Sudoeste. E pelo seu povo que vive com muita satisfação e qualidade de vida.

Origem do nome “Realeza”

No dia 20 de setembro de 1960, os pioneiros deram o nome ao lugar de Realeza do Pinho, devido a abundancia da espécie Phynus Araucária angustifólia (Araucária do Paraná). Após a criação do Município, no dia 24 de junho de 1963, foi mantido somente Realeza.

Primeira missa

A primeira missa realizada em Realeza aconteceu no dia 17 de setembro de 1961, celebrada pelo Padre Arthur Vangeel, da Paróquia Nossa Senhora da Glória de Francisco Beltrão, o altar foi improvisado na carroceria de um caminhão, de propriedade de Lotário Rippel.

Primeira Administração Municipal e Vereadores

A primeira Administração Municipal teve como Prefeito Municipal João Maria Correa e vice-prefeito Rubem Cesar Caselani. Os primeiros nove vereadores que formaram a Câmara Municipal foram: Nelson Zucchi, Nilton Brognoli Machado, João Bonatti, Sirval Manfroi, Pedro Zanatta, Vergínio Lotici, João Bandinelli, Waldomiro Leite Chalito e João Schlickmann.

Escudo, hino e bandeira do município

Em 1968 a Câmara de Vereadores aprovou e o Prefeito Municipal sancionou a lei nº 116/68, que consta em seu artigo primeiro a aprovação do Escudo, Hino e Bandeira do município. A bandeira compõe-se de dois retângulos verdes intercalados por um retângulo branco, o qual contém o Escudo do Município no centro. O Escudo tem no centro um pinheiro, representando a maior riqueza natural do município, de um lado do Escudo dois ramos, um de milho outro de soja, representando as riquezas vegetais, e também um suíno ao lado do pinheiro, representando a riqueza agropecuária, do outro lado uma engrenagem, representando as indústrias do município, ao fundo o sol, que é símbolo americano. E como timbre tem o escudo uma coroa simbolizando a Rainha do Sudoeste do Paraná.

O hino de Realeza

Autoria de Sebastião de Lima

Em plena floresta altaneira

Vanguardeiro, audaz e valente

Vem surgir essa terra alvissareira

Rumo ao destino esplendente.

 

Coro: Cheia de luz e beleza

Exuberante e forte nasceu Realeza (bis)

 

Não existe mais formosa

Sob o céu da cor de anil

Realeza é graciosa

Acolhedora e gentil.

 

Em plena floresta altaneira

Vanguardeiro, audaz e valente

Vem surgir essa terra alvissareira

Rumo ao destino esplendente.

 

No caminho do progresso

Siga avante com firmeza

Teu destino é um sucesso

Ó querida Realeza.

 

Em plena floresta altaneira 

Vanguardeiro, audaz e valente

Vem surgir essa terra alvissareira

Rumo ao destino esplendente.

 

Do Sudoeste és a rainha

Do Paraná és o celeiro

Sou tão feliz porque és minha

Rincão querido e altaneiro

 

Dados do município de Realeza

Situado no Sudoeste do Paraná

Aniversário: 12 de Novembro 

Fundação: 24 de junho de 1963 

Gentílico: gaúchos e catarinenses

Municípios limítrofes: Realeza limita-se ao Norte com o município de Capitão Leônidas Marques (sendo o divisor o Rio Iguaçu) ao sul com Ampére, a Leste com Santa Izabel do Oeste e Nova Prata do Iguaçu e a Oeste com Planalto e Capanema. 

Distância até a capital (Curitiba): 515 quilômetros

(Informações da Assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal/2010)