Fonte: Assessoria

06/06/2016



Representantes do Consórcio Intermunicipal da Rede de Urgências do Sudoeste do Paraná (Ciruspar) e dos Sindicatos dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Francisco Beltrão, Pato Branco e Dois Vizinhos participaram de audiência no Ministério Público do Trabalho na segunda-feira (23) e chegaram a acordo suspendendo temporariamente a paralisação dos condutores socorristas.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Francisco Beltrão, Josiel Tadeu Teles que esteve em Curitiba informou que mais uma vez houve por parte dos representantes do consórcio o compromisso de atender as reivindicações dos trabalhadores, a exemplo do que foi acordado há mais de um ano e que não ocorreu.

Reivindicações

Os trabalhadores do SAMU querem definição do piso salarial condizente com as responsabilidades que requer o SAMU. A categoria almeja adequação salarial estabelecendo piso de R$1.400,00. O sindicalista disse que os trabalhadores reivindicam valor para o auxílio alimentação de R$ 250,00, valor do abono salarial de R$150,00 e em regime de urgência, corrigir todas as irregularidades inerentes às condições de trabalho.

Negociações

O prefeito de Ampére Hélio Alves que assumiu o comando do Ciruspar será o responsável a parti de agora em dialogar com as partes para encontrar as soluções necessárias para amenizar as dificuldades enfrentadas pelos funcionários do SAMU.

Os sindicatos que representam a categoria estarão atentos aos encaminhamentos a serem feitos pela direção do consórcio que coordena o serviço na região. Os sindicalistas querem uma solução breve na melhoria das condições de trabalho e salarial dos profissionais do Samu. Josiel Tadeu Teles informou que nova audiência no Ministério Público será realizada no dia 16 de junho o sindicalista faz um alerta, ”se as reivindicações não forem atendidas a greve será deflagrada no dia 17 às 7 horas da manhã. A medida extrema será necessária já que há mais de um ano houve o comprometimento do consórcio em atender os trabalhadores, mas as melhorias nas condições de trabalho e salarial estão sendo proteladas em prejuízo dos profissionais do SAMU”, finalizou.

Compartilhe: