Fonte: Assessoria

07/06/2016


Vazio sanitário e calendarização do plantio e colheita da soja


Produtores paranaenses devem eliminar plantas vivas de soja de 15 de junho até 15 de setembro, durante o Vazio Sanitário.

A Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (ADAPAR) está fiscalizando propriedades, em determinação à medida sanitária para o controle da ferrugem asiática, período em que é proibida a presença de plantas vivas de soja. No momento, antes do início do vazio, os produtores estão sendo notificados para realizar a eliminação das plantas vivas de soja até dia 14 de junho. Após esta data, o produtor que tiver plantas vivas de soja em sua lavoura, será autuado.

O vazio sanitário foi instituído pela Resolução 120, de 2007 e substituído pela Portaria da ADAPAR n 109, de 17 de março de 2015, tem como objetivo eliminar a presença do fungo causador da ferrugem asiática, doença que ataca a cultura e causa sérios prejuízos econômicos aos produtores e danos ao meio ambiente.

A engenheira agrônoma, Fiscal de Defesa Agropecuária da ADAPAR, Talita Ines Tonini, explica que essa medida é necessária para eliminação do fungo, que não tendo as plantas hospedeiras (soja) para sua sobrevivência, sejam eliminados, assim, evitando os focos no cultivo da safra normal, semeada a partir de setembro.

Caso constatada a presença de plantas vivas de soja em propriedades, às margens de rodovias e ferrovias, estradas municipais, estaduais e federais, o responsável será autuado, podendo sofrer as sanções previstas em legislação (advertência, multa, entre outras), dependendo dos atenuantes e agravantes. A autuação confere ao responsável 15 dias para apresentar defesa e eliminar as plantas, o que pode se tornar um atenuante.

A ADAPAR conta com a contribuição dos Conselhos Municipais de Sanidade Agropecuária (CSA) e da assistência técnica, que alertam e orientam produtores da importância de cumprir o vazio sanitário.

O vazio sanitário é uma medida sanitária de interesse dos produtores, no manejo da ferrugem asiática da soja. As ações de fiscalização imputadas são necessárias para que se mantenha a condição de produção de forma sustentável. Essa medida é também adotada em outros dez estados produtores de soja (Tocantins, Maranhão, Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina). O Paraguai país vizinho ao estado do Paraná, também adota o vazio sanitário.
O produtor que se sentir prejudicado pelo descaso de vizinhos, poderá fazer denúncia às Unidades de Sanidade Agropecuária da Adapar, nos Núcleos Regionais da Secretaria da Agricultura ou da EMATER.

Outra estratégia de manejo para controle da Ferrugem, é sobre a Portaria 193 de 06 de outubro de 2015 na qual estabelece o período de semeadura e colheita de soja no Estado do Paraná e dá outras providências. O período de semeadura fica definido para iniciar a partir do dia 16 de setembro a 31 de dezembro, respeitando o zoneamento agrícola, e a colheita ou dessecação deve ser realizada até dia 15 de maio. Esta portaria entra em vigor a partir do ano agrícola 2016/2017. Fica proibido o cultivo de soja sobre soja na mesma área e no mesmo ano agrícola. O principal objetivo da calendarização do plantio e colheita da soja, é reduzir o número de aplicações de fungicidas para diminuir a pressão de seleção sobre a população do fungo, que já está menos sensível a ação dos fungicidas disponíveis no mercado.

Maiores informações encontram-se no site da ADAPAR e nas Unidades Locais da ADAPAR (ULSAs). Endereço da ADAPAR em Realeza (ULSA que atende seis municípios: Realeza, Santa Izabel do Oeste, Ampére, Nova Esperança do Sudoeste, Salto do Lontra e Nova Prata do Iguaçú): Rua Belém, 2556, centro, telefone (46) 3543-2122.

Compartilhe: