Fonte: Assessoria

09/09/2016


Ortigara enaltece conquistas do projeto Leite Sudoeste


O primeiro balanço do Projeto Leite Sudoeste, criado há cerca de três anos com o envolvimento de pelo menos 20 entidades, órgãos, associações, instituições e cooperativas sob a coordenação da Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná (Amsop), surpreendeu até o secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento Norberto Ortigara.

Dados apresentados pela Secretaria de Estado da Agricultura (Seab) na tarde de quinta-feira (25) no auditório do Senac em Francisco Beltrão, mostram que das 80  propriedades modelos analisadas houve um incremento na produtividade em torno de 34%, entre 2013 e 2015. Quando comparado o aumento de produtividade frente a área de terra ocupada, constata-se que houve um crescimento ainda maior atingindo a marca de 58%.

Evolução

O levantamento fez parte de uma apresentação histórica da cadeia produtiva do leite na região datada a partir de 1979 até a atualidade. Os dados divulgados pelo chefe do escritório regional do Instituto Emater de Francisco Beltrão Orlei Lopes mostrou ainda a evolução da produtividade.

Se enquanto na década de 1980 o Sudoeste produzia algo em torno de 70,8 milhões de litros por ano, em 2005 saltou para 540 milhões de litros/ano, e em 2015 atingiu a maior marca do Estado com 1,186 bilhões de litros. E isso em cerca de 30 mil propriedades rurais.

Lopes aproveitou a oportunidade para lançar o desafio de melhorar ainda mais a qualidade do leite com implantações de várias ações, e com isso elevar ainda mais a renda no campo. “Hoje quem produz um leite com melhores índices de qualidade recebe em média R$ 0,24 a mais por litro. Imagine se pelo menos 10% da produção atingisse essa qualidade. Seriam no mínimo R$ 24 milhões a mais na economia regional”, provocou o gerente regional da Emater.

Elogios ao Leite Sudoeste

O presidente da Amsop, prefeito de Marmeleiro Luiz Bandeira foi um dos primeiros a elencar os benefícios do projeto para a região. “Sabemos quanto a cadeia produtiva do leite é importante para o Sudoeste e como o projeto está contribuindo para aumentar a produção e qualidade. Temos que manter o foco e a força das entidades que contribuem para seu sucesso”, frisou Bandeira.

Para Ortigara os resultados apresentados reforçam ainda mais o diferencial da região na capacidade de se organizar para obter um bem comum. “Quero parabenizar o Sudoeste pelo projeto e pelos números conquistados mesmo em curto período. Isso só é possível graças a essa condição que se tem aqui de se articular, unir esforços e juntos atingir os objetivos. Não vejo isso em lugar algum do Estado. Nós, enquanto secretaria e governo estamos sempre a disposição”, afirmou o secretário de Estado, lembrando que a questão dos carros será resolvida e vão ser entregues.

Os elogios também foram reforçados pelo presidente do Iapar Florindo Dalberto. “Ver essa evolução em tão pouco tempo dá impacto, impressiona e eleva o otimismo de todos que sabem do trabalho das lideranças e técnicos da região”, disse.

O diretor-presidente do Instituto Emater Rubens Ernesto Niederheitmann reforçou. “É de uma importância incalculável para as famílias envolvidas com a cadeia do leite. Está refletindo na qualidade de vida dos produtores e consequentemente de toda uma comunidade que está sendo beneficiada diretamente”, salientou.

O deputado estadual Wilmar Reichembach, presidente da Frente Parlamentar de Apoio a Cadeia Produtiva do Leite, além do representante do Sebrae-Pr Sabino Oltramari, e do diretor do campus da UTFPR de Francisco Beltrão Alexandre Alfaro listaram mais uma dezena de elogios ao projeto, e as novos avanços que vão ocorrer principalmente com os investimentos, parcerias e a presença da Embrapa. Oltramari lembrou que a cadeia produtiva do leite é o setor que tem ganhado evidencia na governança do Plano de Desenvolvimento Regional Integrado do Sudoeste do Paraná (PDRI) justamente por atingir todos os municípios.

Presença

O público que lotou o auditório do Senac era formado por secretários municipais de Agricultura, prefeitos, representantes de laticínios, de cooperativas de crédito e agrícola, sociedade rural, Rural Leite, ACEFB, Agência de Desenvolvimento da Região Sudoeste do Paraná, Assema, Fetaep, Faep, Fecomércio, Ministério da Agricultura, UTFPR, sindicatos rurais, técnicos e colaboradores de órgãos de Estado.

Compartilhe: