Fonte: Assessoria

17/10/2016


Usina de Baixo Iguaçu tem a maior grua do Brasil


Para a construção de grandes obras, como é o caso da Usina Hidrelétrica Baixo Iguaçu, é necessário a elaboração de um bom planejamento e de equipamentos eficientes, capazes de atender os prazos do cronograma. Dentre os dispositivos essenciais estão os guindastes de torre ou gruas. “Com estes equipamentos conseguimos auxiliar a produção nas movimentações de cargas, permitindo assim, um ganho na produtividade”, descreve o gerente de Equipamentos, Hamilton Junior.

Um dos guindastes de torre presentes no canteiro de obras se destaca pela enorme capacidade de carga. Trata-se da Liebherr 1250 HC 50, com capacidade para içar peças de até 50 toneladas. A grua foi fabricada na Alemanha e adquirida pela Odebrecht. Esta é a sua segunda obra: ela trazida da UHE Teles Pires, no Mato Grosso, em um total de 26 carretas, até Capanema, no Paraná, local de construção da usina.

Atualmente é a maior grua em operação no Brasil e a segunda maior da Construtora Norberto Odebrecht. “Esta grua está montada com uma altura de 78,6m e possui um raio de giro de 75,2m. Aqui em Baixo Iguaçu, ela auxiliará na montagem eletromecânica do vertedouro”, explica o encarregado geral de Equipamentos, Alcides Barbosa, com mais de 30 anos de Odebrecht e especialista em gruas. No dia 19 de setembro, essa poderosa grua içou o primeiro painel da comporta, com um peso de 28 toneladas. Nos próximos dias continuará com o içamento do braço da comporta e os demais painéis.

A montagem destes equipamentos requer um estudo detalhado e um planejamento prévio de logística.  “Hoje, oito gruas estão em funcionamento na UHE Baixo Iguaçu. Todas são da Odebrecht, portanto, utilizamos os recursos da própria empresa. Elas vieram de diversos locais do país e muitas estavam empregadas em outros projetos no Mato Grosso, Rondônia e São Paulo, por exemplo”, acrescenta Hamilton. Levaram cerca de seis meses para todos os guindastes estarem aptos a funcionamento.

São aproximadamente 70 pessoas trabalhando diretamente com as oito gruas. Quatro estão no Vertedouro, três no Circuito de Geração e uma no Pátio de Montagem. Para operarem os guindastes, os integrantes precisam ter um treinamento específico e certificação. A cada ano toda a equipe passa por uma reciclagem para revisar procedimentos de operação e segurança. “Nossa equipe conta com excelentes profissionais com experiência de outras obras. Mesmo assim, fazemos um acompanhamento constante com cada integrante da equipe”, relata Alcides.

Compartilhe: