Fonte: Redação

31/07/2017



A Justiça Eleitoral de Realeza realizou na manhã de sexta-feira (28), Audiência Pública no Fórum da Comarca para debater sobre a extinção das zonas eleitorais localizadas no interior do Estado que não atendam os parâmetros estabelecidos no artigo 3º da Resolução 23.422/2014 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A audiência contou com a presença do juiz da Comarca, Christiano Camargo, promotor do Ministério Público, Guilherme Brainer Caetano, servidores da Justiça Eleitoral, autoridades e lideranças das cidades de Realeza, Santa Izabel do Oeste, e Ampére.

Segundo o juiz “a ideia da audiência pública foi chamar atenção da população local e lideranças políticas dos efeitos negativos que a resolução trará para nossa região e Estado”.

A 130ª Zona Eleitoral de Realeza, que abrange também os municípios de Santa Izabel do Oeste e Ampére, não será extinta. Pois conta com mais de 32 mil eleitores, as zonas eleitorais com menos de 25 mil eleitores podem ser extintas.

“Momentaneamente não corremos o risco de ter a nossa Zona Eleitoral extinta, mas sofreríamos um efeito reflexo por extinções de zonas eleitorais vizinhas, se essas zonas forem extintas a população desses municípios e interior vai ter dificultado seu acesso à justiça eleitoral, porque dependerá de Realeza, para, por exemplo, poder renovar seu título ou estar a par do seu cadastro eleitoral”, explica o juiz.

O registro da Audiência será encaminhado à presidência do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), e estará disponível a população, em forma de documento público. O TRE tem até o final de agosto pra informar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) quais as zonas serão extintas.

Compartilhe: