Fonte: Redação

30/10/2017


Base do SAMU em Realeza está com problemas estruturais


O prédio que abriga a estrutura da base do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) no Bairro João Paulo II em Realeza, está apresentando problemas estruturais, como infiltrações, goteiras, e danos na rede elétrica.

Com as chuvas ocorridas nos últimos meses, os problemas se agravaram, principalmente na cobertura do local. Na sala de estar, a água escorre pela tomada do ar condicionado e pelas lâmpadas, além de goteiras e infiltrações. Baldes foram improvisados para recolher a água.

No corredor e cozinha também há infiltração na laje. E no quarto masculino a água também escorre pela tomada do ar condicionado. Os outros cômodos também apresentam infiltrações.

Devido à possibilidade de curto circuito no prédio, os profissionais do SAMU desligaram a incubadora neonatal móvel, que deveria ficar ligada 24 horas por dia na energia elétrica, mantendo aquecido o equipamento utilizado nas emergências com recém-nascidos.

O prédio pertence ao Governo Estadual, foi construído há 10 anos para abrigar a Defesa Civil de Realeza. Em 2012 passou a abrigar também o SAMU. Com a mudança da Defesa Civil ao Centro Municipal de Eventos, no ano passado, o SAMU permaneceu instalado no local.

Mesmo não sendo proprietária do prédio, a Prefeitura de Realeza está buscando alternativas para os reparos emergenciais na estrutura.

A base do SAMU de Realeza conta com duas ambulâncias, uma Unidade de Suporte Básico (USB), e uma Unidade de Suporte Avançado (USA) (UTI Móvel), e atende além do município sede, mais sete cidades: Santa Izabel do Oeste, Ampére, Capanema, Planalto, Pérola D’Oeste, Salto do Lontra, e Nova Prata do Iguaçu.

Compartilhe: