Fonte: Assessoria UFFS

28/03/2019


Experiências do PET de Medicina Veterinária e Agricultura Familiar da UFFS são descritas em livro
Experiências do PET de Medicina Veterinária e Agricultura Familiar da UFFS são descritas em livro


Para apresentar as experiências formativas do Programa de Educação Tutorial (PET), os cinco grupos PET da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) elaboraram um livro que apresenta 37 experiências de formação, impulsionando e divulgando as diferentes atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão produzidas pelos grupos. Uma das seções do livro apresenta as contribuições do Grupo PET de Medicina Veterinária e Agricultura Familiar do Campus Realeza.

Com atuação nas pequenas propriedades da agricultura familiar, o PET do Campus Realeza busca ampliar a formação na área da Medicina Veterinária, focando o desenvolvimento técnico e acadêmico, além de contribuir com a comunidade local, avaliando as condições de produção de leite nas propriedades e promovendo ações junto aos produtores para a melhoria da qualidade do leite, da saúde humana e dos animais.

No livro “As experiências formativas do Programa de Educação Tutorial na Universidade Federal da Fronteira Sul”, quatro capítulos foram dedicados para apresentarem algumas dessas experiências que fortalecem a formação profissional dos acadêmicos, assim como impacta positivamente a produtividade e a renda familiar das pequenas propriedades atendidas. "Até o ano de 2018 o PET de Medicina Veterinária e Agricultura Familiar já atendeu 22 propriedades leiteiras da região. Este trabalho vai além da melhora na qualidade do leite ou da propriedade, mas também no grau de aprendizado tanto do acadêmico como do produtor rural através da troca de conhecimentos técnicos e experiências", comentou a tutora do programa, professora Karina Ramirez Starikoff.

Um dos capítulos também apresenta outras atividades realizadas, como a organização de campanhas de doação de agasalhos e de sangue, capacitações para o atendimento de pessoas com deficiência e na área da permacultura, além de ações culturais como as "Mateadas PET". "Essas ações contribuem para uma formação sensível às questões sociais, o que aperfeiçoa, de certa forma, características pessoais e profissionais", comentou a professora.

O capítulo final traz relatos de ex-alunos que participaram do PET de Medicina Veterinária e Agricultura Familiar. Eles destacam como cresceram profissionalmente e estão buscando novos conhecimentos na área de atuação. "As responsabilidades de um petiano, o cumprimento de prazos, o compromisso com os produtores, tutores e orientadores, garante que o egresso tenha maior capacidade e facilidade de compreender e agir diante da dificuldade e de resolver problemas dentro do seu cotidiano, independente da área de atuação", ressaltaram os petianos.

Compartilhe: