Fonte: Assessoria UFFS

31/08/2019


UFFS construirá Centro de Referência em Controle de Qualidade de Alimentos em Realeza
UFFS construirá Centro de Referência em Controle de Qualidade de Alimentos em Realeza
UFFS construirá Centro de Referência em Controle de Qualidade de Alimentos em Realeza


A Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) teve projeto contemplado com recursos do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD), vinculado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública. Serão repassados mais de R$ 9 milhões para a construção de um Centro de Referência em Controle de Qualidade de Alimentos (CRCQA) no município de Realeza. O objetivo é atender produtores da agricultura familiar, ofertando serviços de análises que potencializem a comercialização de alimentos e a diversificação da produção na região.

A celebração do termo de execução do projeto foi oficializada a partir da publicação no Diário Oficial da União, no dia 17 de julho. O recurso liberado soma R$ 9.364.131,20 e terá vigência de três anos. Os recursos do FDD são provenientes de multas, condenações judiciais e danos ao consumidor, entre outros, sendo gerido pelo Conselho Federal Gestor do Fundo de Defesa de Direitos Difusos. A aplicação dos recursos é realizada por meio de projetos que estimulem: promoção da recuperação, conservação e preservação do meio ambiente; proteção e defesa do consumidor; promoção e defesa da concorrência; patrimônio cultural brasileiro e outros direitos difusos e coletivos.

O CRCQA será instalado no Campus Realeza e prestará diferentes serviços de análises para certificar alimentos produzidos na região Sudoeste do Paraná. Outro objetivo é realizar análises para verificar a qualidade da água na região, assim como fomentar o desenvolvimento de novos produtos, principalmente, orgânicos, bem como auxiliar e orientar agricultores familiares sobre demais aspectos que garantam mais segurança alimentar e nutricional.

O desenvolvimento de novos conhecimentos e a projeção da UFFS na região Sudoeste foram destacados pelo reitor, Jaime Giolo, assim como os benefícios para a agricultura familiar. “Esse projeto trata-se de um centro de alta tecnologia, que operará com um alto nível de investigação e inserção no mundo da produção familiar. A contribuição que podemos dar para a região em termos de suporte à agricultura familiar será grande, assim como será um pontapé inicial para alcançarmos outras regiões de abrangência da Instituição. Por outro lado, também será possível fazer pesquisas mais sofisticadas, o que puxam o conjunto de atividades institucionais para um nível de inserção científico muito mais elevado”, explicou.

O atual diretor do Campus Realeza, professor Marcos Antônio Beal, comentou que a implantação de uma estrutura como essa era algo desejado pela região Sudoeste antes mesmo da criação da Universidade. “Aqueles que esboçaram os primeiros projetos da UFFS – dentro do movimento pró-universidade – já sinalizavam que nossas ações de Ensino, Pesquisa e Extensão precisariam contribuir para a produção de alimentos mais seguros e saudáveis. A vinda do CRCQA para Realeza servirá para qualificar as práticas dos nossos cursos de Graduação pela disponibilização de espaços e equipamentos de última geração e também possibilitará retomar projetos de novos cursos de Mestrado e Doutorado na área da Saúde, agora acompanhados de uma excelente estrutura de suporte”, destacou.

De acordo com o projeto inicial, a obra terá aproximadamente 1.300 m2 e contará com seis laboratórios: Análises Físico-químicas de Alimentos; Laboratório de Microscopia; Laboratório de Análises Microbiológicas; Laboratório de Análises Bioquímicas e Nutricionais; Laboratórios de Aditivos Alimentares e Contaminantes; e Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento de Alimentos. Por concentrar uma grande variedade de laboratórios de análises em um só local, o CRCQA da UFFS será único nas regiões Sudoeste e Oeste do Paraná.

As análises permitirão identificar a composição e os possíveis contaminantes presentes nos alimentos fabricados pela agricultura familiar, facilitando a rotulação de produtos ou mesmo a adequação do processo de produção. Entre as outras propostas previstas estão a promoção do desenvolvimento de novos produtos, a prestação de assessoria, consultoria e cursos sobre boas práticas de fabricação de alimentos, a realização de análises de perigos e pontos críticos de controle na produção de alimentos e o incentivo à produção orgânica e sustentável. O objetivo final, segundo os coordenadores do projeto, é promover o desenvolvimento da região, agregar mais valor a produção vinda da agricultura familiar e levar ao consumidor alimentos mais saudáveis, seguros e com informações nutricionais corretas.

A primeira parte dos recursos, de R$ 221.323,20, já está liberada, de acordo com a professora Camila Elizandra Rossi, responsável por estabelecer a relação com o FDD. “Em breve, será realizada a licitação para elaboração do projeto executivo de arquitetura, assim como de construção do edifício. Além disso, os recursos também serão utilizados na compra de equipamentos laboratoriais, reagentes e mobiliário para o funcionamento das atividades”, comentou.

O cronograma de implantação prevê que a conclusão das obras e a compra de equipamentos sejam finalizadas ao final do primeiro semestre de 2021. A equipe ainda está definindo de que forma os serviços serão acessados, podendo ser gratuitos ou pagos, de acordo com a complexidade. Outras fontes de recursos também preveem a participação de editais de fomento à pesquisa e à extensão, entre outros.

Compartilhe: